Filmes que abalaram a nossa infância: Lua de Cristal (1990)- Parte 1

Lua de Cristal-capa

Trilogia Lua de Cristal Parte 2  Parte 3

Assim como muita gente entre as décadas de 80 e 90, eu também fui fã da Xuxa. Acordava cedinho nas férias pra ver a chegada da nave, sentir inveja daquele café-da-manhã de rico (enquanto que o meu era nescau e pão), torcer pelas meninas nas brincadeiras e, claro, assistir desenho. Até hoje culpo meu pai por não ter me deixado ir numa excursão pra visitar o Rio que tinha o Xou da Xuxa como parte do roteiro. E ele se arrepende muito disso hoje em dia, porque não aguenta mais me ouvir falar dessa história.nave da xuxa

Mas mesmo sendo pequena, eu achava meio esquisito todo aquele culto e adoração a Xuxa como se ela fosse a mais recente aparição de Nossa Senhora. Eram cartas imensas com beijos, entregues por gente que chorava e dava chilique quando ela ia pegar na mão das crianças da plateia, gritando “Xuxa rainha!”. Sem falar nos cantores que faziam praticamente hinos de adoração a ela, tipo Aline Barros e Amanda (do Trem da Alegria).

E nessa época eu nem sabia de namoro com Pelé, fotos em revista masculina, filme com menor de idade, nada disso. No máximo uma ou outra acusação de pacto com o demônio que volta e meia aparecia na capa das revistas.

Em Lua de Cristal, entretanto, Xuxa resolveu bancar a humilde, e contar com muita licença poética a sua caminhada rumo ao estrelato. É tipo um Xuxa begins, só que bem romanceado, sem os detalhes sórdidos e com alguns empréstimos das histórias da Branca de Neve e da Cinderela. Mas sem chegar no nível de ruindade só alcançado anos depois por Carla Perez e seu Cinderela Baiana (1998).

Aliás, Lua de Cristal não é um filme tão ruim assim, e eu nem digo isso por apego sentimental (foi o primeiro filme que eu vi no cinema, como disse aqui). Tirando a Xuxa, o resto até funciona bem, e o roteiro até que faz algum sentido. 

ônibus lua de cristalTudo começa em algum interior desse Brasil, com Xuxa (aqui Maria da Graça) se despedindo da sua mãe pra ir pro Rio fazer aula de canto e tentar carreira artística. Ela tem planos de ficar na casa de uma tia, que aparentemente só foi avisada por carta. Não sabemos exatamente em que lugar elas estão, só que tem linha da Itapemirim chegando lá.

Eu podia chutar Rio Grande do Sul, se era pra ser mais fiel à história verdadeira, mas bem que podia ser qualquer lugar do estado do Rio, já que Maria da Graça chega no seu destino enquanto sonha um único sonho.

Que aliás, é um sonho recorrente pelo filme inteiro. Na parte pesadelo, ela se lembra de um episódio da infância em que foi se apresentar publicamente na escola mas teve medo de palco e saiu correndo. O clima é meio Carrie a estranha mas nada ruim acontece. Em seguida vem a parte mais idílica, em que ela se vê criança e correndo pelos campos com pessoas loiras (paquitos e paquitas) vestindo farrapos bonitinhos. Um senhor explica que esses são criaturas mágicas das florestas, mas que com os desmatamentos crescentes, tiveram que viver no nosso mundo. E que entre eles daria até pra encontrar um príncipe.

Só eu vejo um lance meio pedófilo nesses sonhos?

Só eu vejo um lance meio pedófilo nesses sonhos?

O  estranho é que são as mesmas pessoas que ela encontra quando chega ao Rio, e até o sujeito que deu a informação no sonho vem a ser o seu professor de canto. Então eles são mesmo criaturas mágicas que vivem no mundo real? Eles se lembram das suas identidades, ou é um lance meio Once Upon a Time? Sera que a Xuxa, ops, Maria da Graça, tem poderes mediúnicos? Tudo estava escrito, então? Tantas perguntas que ficam sem resposta.

Letícia Spiller, Juliana Baroni e mais um bando de paquitas que jamais foram vistas desde então

Letícia Spiller, Juliana Baroni e mais um bando de paquitas que jamais foram vistas desde então

Voltando à recepção da jovem sonhadora na cidade grande, nem os desenhos animados da Disney podiam ser mais idílicos. Ao invés de ter toda a sua bagagem roubada por ficar zanzando por aí, olha que simpático, ela é recepcionada por um bando de caras que cantam rap, funk, hip-hop ou o que diabo fosse aquela música estranha. Certamente foi um grupo bem famoso em 1990, e só por isso aparece assim gratuitamente no filme. 

Pausa pra que Maria possa pedir informação/trollar um cego.

Música continua.

Esqueça todos os filmes fofinhos que você já viu na sua vida. Nada poder ser mais romântico que ser atropelada por um entregador de pizzas que corta caminho pelo meio da calçada. E pra ficar perfeito mesmo, só sendo o Sérgio Mallandro! Que ainda vai pegar, como um verdadeiro cavalheiro, o tênis que você esqueceu no chão e dar uma cheiradinha apaixonado. Sério, até o chulé da Xuxa é cheiroso. Aposto que o que ela faz no banheiro são floquinhos de algodão.

E até Sérgio Mallandro teve seus dias de galã

E até Sérgio Mallandro teve seus dias de galã

Maria finalmente consegue chegar ao endereço certo. Lá ela conhece Duda, interpretada pela Duda Little, criança prodígio oficial dos anos 80. Finalmente alguém com a sua idade mental. As duas conversam animadamente e a menina bem que tenta alertar que a tia não é bem o que Maria espera, mas sem muito sucesso.

Pausa para as duas rirem de um funcionário gay do prédio. 

A Xuxa do filme é realmente mais boba do que parece. Ela se abalou até o Rio sem nem esperar confirmação da tia de que poderia recebê-la. Só mandou uma carta avisando e foi na coragem. Tá certo que interurbano naquele tempo era caro, mas bem que valia a pena ter gastado uns cruzeiros né? Melhor do que dar com a cara na porta. O lance aqui não é fazer tudo pelos seus objetivos?

Será que Gracinha conseguirá ser bem aceita na casa da tia? Será que realizará todos os seus sonhos? Será que vai aparecer um par romântico mais decente que o Sérgio Mallandro? Não perca o próximo capítulo, quer dizer, a segunda parte desse post.

 

Anúncios

10 thoughts on “Filmes que abalaram a nossa infância: Lua de Cristal (1990)- Parte 1

  1. Pingback: Filmes que abalaram a nossa infância: Lua de Cristal (1990)- Parte 2 « O filme da tarde

  2. Pingback: Filmes que abalaram a nossa infância: Lua de Cristal (1990)- Parte 3 « O filme da tarde

  3. Pingback: Pra começar « O filme da tarde

  4. Pingback: Carta ao blog no seu primeiro aniversário | O filme da tarde

  5. essa trilogia foi engraçadissima kkkkk morri com o “jamais passarei fome de novo” adoro acena que a Maria joga tinta no cabelo da priminha kkkkkkkkkkk e o primo mauricinho “tarado/cafajeste/pervertido/estuprador em potencial” ? kkkkkkkkkk

Deixe seu palpite aqui. O poder é de vocês!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s