Once Upon a Time: aventura, magia e os melhores vilões da tv

once upon a time

Imagine um mundo em que os personagens de contos de fadas foram expulsos de suas histórias por um feitiço, e passaram a viver numa cidade pequena, na nossa realidade. Eles não se lembram de quem eram, e estão condenados a passar anos e anos repetindo comportamentos padrões, já que o tempo também parou.

A única pessoa que pode mudar a situação e salvá-los não acredita nem um pouco nessa confusão toda, mas ela mesma tem assuntos pendentes na cidade: o filho que ela entregou pra adoção há 10 anos saiu de lá e  veio procura-la. O problema é que a mãe adotiva dele, e atual prefeita, era a bruxa da Branca de Neve. Nada mais nada menos do que a responsável pela maldição que criou todo o problema.

Oi, tudo bom? Eu sou seu filho biológico, fui adotado pela Rainha Má, você é filha da Branca de Neve e a única que pode reverter um feitiço. Muita informação?

Oi, tudo bom? Eu sou seu filho biológico e fui adotado pela Rainha Má. Você na verdade é filha da Branca de Neve com o Príncipe Encantado e a única que pode reverter um feitiço que mantem presos todos os personagens de contos de fadas. Muita informação?

Esse é o enredo de Once Upon a Time (vou chamar de OUAT), que estreou em outubro de 2011 na rede americana ABC e atualmente está na segunda temporada, com a terceira já confirmada pro meio desse ano (ufa!). No Brasil passa na Sony, mas os episódios estão bastante atrasados. A audiência lá na gringa tem sido uma beleza, e a crítica tem elogiado bastante também.

Apesar de parecer só mais uma série de fantasia, na onda desse revisionismo de contos de fadas que tem estado na moda, OUAT ataca realmente em todas as frentes, abrangendo o máximo de público. Pra quem gosta de tramas rocambolescas, cheias de mistérios, reviravoltas e investigação, ou simplesmente é um órfão de Lost (eu!eu!eu!) ela acaba agradando em cheio.

Seus criadores são os roteiristas Edward Kitsis e Adam Horowitz, os mesmos que também escreveram sobre as desventuras da galera da ilha. Desde os primeiros episódios há easter eggs por toda a parte pra levar os fãs da série falecida ao delírio. Uma barra de Apolo aqui, um Whisky MacCutcheon ali, e olha lá, um avião da Oceanic passando bem na hora.joão e maria-regina

A estrutura das duas séries também é parecida, com os episódios envolvendo uma ação no presente e um flashback. No caso de OUAT, eles mostram acontecimentos no mundo encantado antes da maldição. Personagens de várias histórias costumam se misturar, e até os próprios acontecimentos são diferentes do que a gente conhece.

Já pra quem gosta de referências aos desenhos clássicos da Disney vai se acabar aqui. A ABC é parte da Walt Disney Company, o que faz com que eles tenham direito a usar o que aparece nesses filmes. Os anões têm os nomes a que a gente já se acostumou e até se ouve aquela musiquinha deles em um episódio. A Branca de Neve chega a usar aquele vestido famoso, assim como a Cinderela.

Mas o episódio que mais abusou (pro bem) foi o que envolve uma versão ligeiramente diferente da Bela e a Fera, trocando o príncipe enfeitiçado pelo Rumpelstiltskin (aquele que ajudou uma camponesa em troca do primeiro filho que ela tivesse). Os dois vestidos do desenho são usados, o azul e o amarelo, além de também aparecer o Gastão e o Chip, aquela xícara simpática e animada (que aqui está na versão xícara normal).

Parece que a qualquer momento vai começar a tocar  "Sentimentooooos são, fáceis de mudaaar..."

Parece que a qualquer momento vai começar a tocar “Sentimentooooos são, fáceis de mudaaar…”

As heroínas de OUAT são bem mais ativas que as suas equivalentes dos desenhos, e além de não ficarem esperando o príncipe tomar uma atitude, também acabam por salvá-los em vários momentos. Aliás, dá pra dizer que, apesar de ter alguns personagens masculinos marcantes, é um seriado sobre acerto de contas entre mulheres  (mães, avós, madrastas, inimigas).

GINNIFER GOODWIN

Branca de Neve teve que aprender a se virar depois de ter sido jurada de morte pela rainha

Regina-once upon a time

Mas o melhor de tudo mesmo são os vilões, que desde Lost acabam sendo mais complexos e apaixonantes que os heróis. Em OUAT temos não só Regina  (a Rainha Má, madrasta da Branca de Neve), como também Rumpelstiltskin, ou Mr Gold no mundo real (os nomes são trocadilhos com referências a quem eram no mundo das fadas).

A primeira é interpretada pela Lana Parrilla, e como já virou a tradição, acaba sendo bem mais bonita e interessante que a enteada. Conhecendo mais o passado dela, acabamos entendendo o motivo das suas ações e da sua revolta.

rumpleE o Rumpelstiltskin, ah o Rumpelstiltskin, é o personagem mais querido da série, não importa o quanto mate, engane, manipule e torture. Qualquer fã de OUAT trocava fácil uma chance com o Príncipe Encantado ( que não é nem um pouco de se jogar fora) pra poder ficar com ele, sério. Mérito da excelente atuação de Robert Carlyle. Achei um absurdo ele não ter sido indicado ao Emmy, e espero que reparem a injustiça até a série acabar.

Tá fazendo pouco caso né? Espera só até você ouvir a voz dele.

Tá fazendo pouco caso né? Espera só até você ouvir a voz dele.

Como nem tudo são flores, OUAT também tem seus problemas. Assim como Lost, é cheia de defeitos especiais, e às vezes até lembra um pouco os filmes da Xuxa ou da Angélica. Os chroma keys são bem vagabundos e só tendo muito envolvimento na história mesmo pra a gente parar de reparar neles. Uma pena que não é feita pela HBO, pra ganhar uma produção estilo Game of Thrones.

A segunda temporada deu uma desandada feia em termos de história, chegando ao cúmulo de apresentar e matar no mesmo episódio um personagem relativamente importante. Parece que deu uma preguiça nos roteiristas e eles passaram a resolver umas coisas de forma estapafúrdia. Felizmente isso tem melhorado agora na metade.

De qualquer forma, essa é a série que a gente tem acompanhado com mais ansiedade aqui em casa, e várias vezes nos pegamos discutindo se Gepeto disse a verdade pra Fada Azul, ou qual o grande mistério no passado da Rainha Má, ou mesmo se Branca de Neve cometeu mesmo o crime de que foi acusada. 

E eu nunca imaginei que o encontro da Branca de Neve com os anões, uma cena tão banal no desenho da Disney, pudesse emocionar tanto.

Snow-White-and-the-Dwarves

Anúncios

6 thoughts on “Once Upon a Time: aventura, magia e os melhores vilões da tv

  1. Assino embaixo! Adoro Rumpelstiltskin (copiei e colei)hehehehh
    A unica filmagem que deu roupagem nova aos contos de fadas e funcionou hoje em dia.
    Incrivel as ligacoes da historias umas com as outras!!!

    • Eu também copiei e colei todas as vezes em que o nome dele apareceu aí, rs, por isso até prefiro me referir a ele como Rumple. E vamos torcer pra que a segunda temporada consiga recuperar o fôlego da primeira, ao menos aquele último episódio me deixou otimista.

  2. Pingback: Vale a pena mesmo ter Netflix? A opinião de quem assinou (parte 1) « O filme da tarde

  3. Pingback: Filmes que abalaram a nossa infância: Lua de Cristal (1990) « O filme da tarde

  4. Pingback: Community: a melhor comédia de todos os tempos | O filme da tarde

  5. Pingback: A arte de ficar sozinha no Dia dos Namorados | O filme da tarde

Deixe seu palpite aqui. O poder é de vocês!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s